Política e Sociedade

Comunicado da UBP: Adeus a Mário Soares

Publicado em Atualizado em

Segue comunicado integral da União Budista Portuguesa acerca da morte do Dr. Mário Soares ocorrida no Sábado passado.

O nosso Adeus a Mário Soares

Mário Soares e Dalai Lama
Mário Soares e S.S. Dalai Lama num encontro inter-religioso na Mesquita de Lisboa, 2007

Foi com enorme tristeza que a União Budista Portuguesa recebeu a notícia do falecimento do Dr. Mário Soares. Ao seu inegável e fundamental papel na recente História Política e Social de Portugal, acresce a importância da sua actuação nos primórdios do Budismo no nosso País.

De facto, foi pela pena do Dr. Mário Soares que foi oficialmente endereçado, em 1977, o primeiro convite a Sua Santidade o Dalai Lama para visitar Portugal.

Foi pois com naturalidade que, na sua primeira visita ao nosso País em 2001, Sua Santidade o Dalai Lama tenha sido agraciado com o título de Doutor Honoris Causa pela Universidade Lusófona do Porto, tendo sido o seu padrinho ou promotor, o Dr. Mário Soares.

Em 2007, na segunda visita do Líder Religioso Tibetano a Portugal, Mário Sores assumiu um papel fundamental na realização do encontro inter-religioso que teve lugar na Mesquita de Lisboa e entrevistou-o para a RTP no programa “Mario Soares, Conversas com o Dalai Lama”.

Mário Soares afirmou por diversas vezes que Leia o resto deste artigo »

Anúncios

[Documentário completo] A Senhora do Nº6, um ser iluminado pela música

Vídeo Publicado em Atualizado em

O Pico da Montanha: “Nós sonhamos um sonho mau que nos conduz a enganos e nos faz sofrer, mas quando acordamos todo o sofrimento desaparece. Eu vi um documentário que recomendo a vocês chamado “A pianista do número 6” que recebeu o prêmio de melhor curta. Ele mostra uma pianista de 109 anos, que é a mais velha sobrevivente de campos de concentração da 2ª Guerra Mundial. Toda sua família foi morta e ela foi levada para um campo de concentração que era uma espécie de vitrine para mostrar a arte. Os nazistas fizeram esta vitrine como demonstração, para mostrar como eles tratavam bem os prisioneiros e só por causa disso ela sobreviveu. Eles reuniram os artistas para fazer corais, músicas e no final mataram essas pessoas também, sobraram apenas alguns. Essa mulher teve a sorte de sobreviver e dentro desse documentário ela é uma pessoa muito feliz que fala coisas maravilhosas todo o tempo e diz que até no mal há beleza. Recomendo que vocês vejam para entender que é uma pessoa iluminada falando. E o mais interessante: é iluminada através Leia o resto deste artigo »

A compaixão é que sustenta o mundo, não o processo económico – Palestra: Conselhos Budistas para Tempos Difíceis | Lama Padma Samten

Publicado em Atualizado em

Nós acreditamos que o processo económico é a base do mundo, mas não é. A base do mundo é nossa capacidade de nos interessarmos uns pelos outros. Isso é o que faz as coisas se ampliarem e melhorarem, isso é o que sustenta as coisas.

Sua Santidade o Dalai Lama diz que cada um de nós foi sustentado sem nenhuma expectativa de retorno. Nós fomos cuidados, isso não é uma atividade económica. Quando as coisas afundam, surgem catástrofes e grandes dificuldades, como é que resolvemos? Surgem muitos voluntários, as pessoas se auto-organizam e fazem tudo melhorar. Isso é o que sustenta o funcionamento do mundo.

Quando os pais e mães não conseguem cuidar de seus filhos, aparece Leia o resto deste artigo »

Felicidade Interna Bruta e o desenvolvimento sustentável do Butão

Publicado em Atualizado em

Nesta conferência do TED, o Primeiro-Ministro do Butão fala sobre o FIB – Felicidade Interna Bruta, e explica o caminho que o Butão percorre para se desenvolver de forma sustentável.

O que é o  FIB – Felicidade Interna Bruta?

Felicidade Interna Bruta (FIB) ou Gross National Happiness (GNH) é um conceito de desenvolvimento social criado em contrapartida ao Produto Interno Bruto (PIB).

Inspirado nos valores budistas, o conceito de FIB baseia-se no princípio de que o verdadeiro desenvolvimento de uma sociedade humana surge quando o Leia o resto deste artigo »

Karma: eles mereceram?

Publicado em Atualizado em

Faz hoje 15 anos que ocorreram os atentados ao World Trade Center. 11 de Setembro de 2001 ficou na história pelos ataques terroristas nos EUA.

Mas qual o papel do Karma neste tipo de situação? Será que essas pessoas foram vítimas do próprio Karma? Ou não tem nada haver com Karma? Será que temos um entendimento correcto do que é realmente o Karma?

Para entendermos esta problemática do Karma, é sugerido a leitura do ensaio de Ajahn Santikaro:
Karma: eles mereceram? – Reflexões sobre o atentado ao World Trade Center (ensaio completo em pdf). A tradução é do Centro Buddhista Nalanda.

Segue trecho:

Muitos budistas tratam os ensinamentos sobre o karma como se eles fossem algum tipo de verdade absoluta. Várias noções e crenças relativas ao karma são tomadas tal como foram dadas, sem muito questionamento. Elaborações são feitas a partir de Leia o resto deste artigo »

Martin Heidegger conversa com um Monge Budista sobre Tecnologia e Filosofia

Publicado em Atualizado em

O Ser em si tem sido escondido dos seres humanos. E é por isso que agora temos que fazer esta questão para obter uma resposta sobre o que e quem é o ser humano.
– Martin Heidegger

Martin Heidegger foi um filósofo alemão habitualmente estudado no existencialismo, embora para ele a filosofia se tratasse de uma laboriosa e rigorosa pergunta pelo Ser. Sua obra tem sido considerada uma das mais importantes do século XX, e na sua maior parte é dedicada à questão do Ser, como é evidente no seu trabalho mais conhecido, Ser e Tempo, embora tenha abordado também questões relativas à critica do significado (hermenêutica), à política, aos mitos gregos e à poesia. Sua influência chegou inclusive à Tailândia, onde o monge budista e professor universitário Bhikku Maha Mani chegou a pensar que Heidegger era “o filósofo alemão”.

Maha Mani entrevistou Heidegger em 1963 para o canal SWR. Pode-se esperar considerações por parte de Heidegger com respeito aos problemas filosóficos comuns entre o existencialismo e o budismo ou outras disciplinas orientais. Porém, Heidegger não se refere propriamente a problemas determinados pela geografia, mas pela necessidade de construir um pensamento global que pode esclarecer o ser humano na sua relação com o Ser, independentemente de categorizações políticas e tecnológicas que dividem as pessoas. Heidegger nos adverte para o perigo de convertermo-nos em “máquinas” obedientes. (Via: Pijamasurf)

Segue os vídeos da entrevista (legendado em português):

1º Parte: Leia o resto deste artigo »

Budismo Engajado | Thich Nhat Hanh

Citação Publicado em Atualizado em

“Existe uma real necessidade de levarmos o budismo para a sociedade, especialmente quando você se encontra em uma situação de guerra ou injustiça social. Durante a guerra do Vietnã se tornou muito claro que deveríamos praticar o budismo engajado, para que a solidariedade e a compreensão pudessem se tornar parte da vida do povo.

Quando sua vila é bombardeada e destruída e quando seus vizinhos se tornam refugiados, você não pode simplesmente continuar a praticar a meditação sentada na sala de meditação.

Mesmo que Leia o resto deste artigo »

Jogos e Prática Budista são Compatíveis?

Publicado em Atualizado em

Jogar jogos como o GTA será compatível com a prática do Dharma?
Quando era mais novo, antes de ter uma conexão maior com o budismo, como todos os jovens também gostava de jogar jogos. GTA, SplinterCelll, Metal Gear Solid, eram alguns dos jogos que gostava de jogar.

Mas nunca fui de jogar muito, e há muitos anos que já não pego num jogo.
No meu caso particular, via o jogo apenas como diversão e lazer, sem qualquer mistura com a realidade.

Mas muitos jovens, principalmente Leia o resto deste artigo »

Budismo e a Eutanásia

Publicado em Atualizado em

Fonte:
 O Livro Tibetano da Vida e da Morte, de Sogyal Rinpoche
 Apêndice 2: Questões sobre a morte.
 Editora: Prefácio
 Ano de Edição: 2001

“Em geral, há o perigo de um tratamento de apoio à vida que se limite a prolongar o processo da morte, vir a provocar desnecessários apegos, iras e frustrações no moribundo, em especial se não for esse o seu desejo. Os familiares que têm de enfrentar decisões difíceis, assustados com a responsabilidade de deixarem que o seu ente querido morra, deveriam reflectir se existe esperança real na recuperação, ou se a qualidade dos dias e horas finais desse ente podem ser mais importantes do que mantê-lo vivo. Para além disso, como na realidade nunca sabemos se a consciência ainda se encontra no corpo, podemos estar a condená-lo a um aprisionamento num corpo inútil.
Dilgo Khyentse Rinpoche disse:
Leia o resto deste artigo »