Os 5 Preceitos

Publicado em Atualizado em

1. Evitar matar ou ferir seres vivos
2. Evitar roubar

3. Evitar a má-conduta sexual
4. Evitar mentir
5. Evitar o álcool e outras drogas intoxicantes

*    *    *    *

Trechos do livro “Boas perguntas, Boas respostas” de Bhante Shravasti Dhammika.

Pergunta: Outras religiões derivam suas ideias sobre o que é certo e errado a partir das ordens de seu deus ou deuses. Vocês budistas não acreditam em um deus, então, como vocês sabem o que é certo e o que é errado?
Resposta: Quaisquer pensamentos, discursos ou ações que se baseiem em ganância, ódio e ilusão, e que, portanto, conduzam para longe do Nirvana, são ruins; e quaisquer pensamentos, discursos ou ações que se baseiem em caridade, amor e sabedoria, e que, portanto, ajudam a clarear o caminho rumo ao Nirvana, são bons. Nas religiões centradas em deus, para saber o que é certo ou errado basta seguir o que lhe mandam. Em uma religião centrada no homem, como o Budismo, para saber o que é certo ou errado é necessário desenvolver uma autoconsciência profunda, assim como autocompreensão. A ética fundada na compreensão é sempre mais forte que a ética que se limita a obedecer a uma ordem. Então, para saber o que é certo ou errado, o budista observa três fatores: a intenção (cetana) por detrás do ato, o efeito que o ato terá sobre o agente e o efeito que o ato terá sobre os demais. Se a intenção é boa (fundada na generosidade, no amor e na sabedoria), se o ato me ajuda (me ajuda a ser mais generoso, mais amoroso e mais sábio) e ajuda aos outros (ajuda a serem mais generosos, mais amorosos e mais sábios), então meus atos e ações são benéficos, bons e moralmente corretos.
É claro que existem muitas variações possíveis quanto ao agir. Às vezes, eu ajo com a melhor das intenções, mas não beneficiarei nem a mim nem aos demais. Às vezes minhas intenções estão longe de serem boas, mas meu ato, todavia, ajuda aos outros. Às vezes eu ajo com boa intenção, meu ato me ajuda, mas prejudica outra pessoa. Em tais casos, meus atos são o que o Buda chamava de “mesclados” (vitimissa) – uma mistura de bom e não-tão-bom. Quando as intenções são ruins e a ação não auxilia ninguém, então tal ato é ruim. E quando minha intenção é boa e meu ato ajuda tanto a mim quanto aos demais, então o ato é completamente bom.

Pergunta: Então o Budismo tem um código moral?
Resposta: Sim, tem. Os Cinco Preceitos são a base da moral budista. O Primeiro Preceito é evitar matar ou ferir seres vivos; o Segundo é evitar roubar; o Terceiro é evitar a má-conduta sexual; o Quarto é evitar mentir; e o Quinto é evitar o álcool e outras drogas intoxicantes.

Pergunta: Mas, às vezes não é bom matar? Por exemplo, matar insetos que espalham doenças, ou quando alguém está prestes a matá-lo?
Resposta: Pode ser bom para você, mas e para o inseto ou para a pessoa que você matar? Eles desejam viver tanto quanto você. Quando você decide matar um inseto nocivo, sua intenção provavelmente é uma mistura de autopreservação (bom) e repugnância (ruim). O ato irá beneficiá-lo (bom), mas obviamente não beneficiará o inseto (ruim). Então, às vezes matar é necessário, mas tal ato nunca será inteiramente bom.

Pergunta: Vocês budistas se preocupam demais com formigas e insetos.
Resposta: Os budistas tentam desenvolver uma compaixão que não discrimina e a tudo alcança. Nós vemos o mundo como um todo unificado em que cada coisa e criatura têm um lugar e uma função. Nós acreditamos que devemos tomar muito cuidado antes de destruir ou perturbar o delicado balanço da natureza. Em todos os lugares onde se deu ênfase em explorar a natureza ao máximo, sugando seus recursos até a última gota sem devolver nada em troca, conquistando-a e subjugando-a, a natureza se revoltou. O ar está se tornando envenenado, os rios estão poluídos e mortos, muitas plantas e animais estão em extinção, as encostas das montanhas estão estéreis e erodidas. Até mesmo o clima está mudando. Se as pessoas fossem um pouco menos ansiosas para esmagar, destruir e matar, essa situação terrível talvez não existisse. Nós devemos lutar para desenvolver um pouco mais de respeito por toda a vida que existe. Essa é a proposta do Primeiro Preceito.

Pergunta: Conte-me sobre o Segundo Preceito.
Resposta: Quando nós aceitamos este Preceito, nós nos comprometemos a jamais tomar qualquer coisa que não seja nossa. O Segundo Preceito relaciona-se a refrear nossa ganância e a respeitar a propriedade dos outros.

Pergunta: O Terceiro Preceito diz que nós devemos evitar a má-conduta sexual. O que é má-conduta sexual?
Resposta:
Se nós usarmos de malandragem, chantagem emocional ou força para levar alguém a praticar sexo conosco, então há má-conduta sexual. O adultério também é uma forma de má-conduta sexual, porque quando nos casamos prometemos a nossa esposa ou esposo que seremos leais. Quando cometemos adultério quebramos essa promessa e traímos a confiança de nosso parceiro. O sexo deveria ser a expressão de amor e intimidade entre duas pessoas, e, quando isto é verdade, ele contribui para nosso bem estar mental e emocional.

Pergunta: Mas e o Quarto Preceito? É possível viver sem contar mentiras?
Resposta: Se realmente for impossível ser bem sucedido na sociedade ou realizar negócios sem mentir, então esse chocante e corrupto estado das coisas deve ser mudado. O budista é uma pessoa que se decidiu a buscar uma solução prática para esse problema, tentando ser mais verdadeiro e honesto sempre.

Pergunta: Se você estivesse sentado em um parque e um homem apavorado passasse correndo por você, e, alguns minutos depois um homem carregando uma faca aparecesse perguntando se você viu o rumo que o primeiro homem tomou, você lhe diria a verdade ou mentiria para ele?
Resposta:
Se eu tivesse bons motivos para acreditar que o segundo homem pretendia ferir gravemente o primeiro, eu, como um budista inteligente e preocupado, não hesitaria em mentir. Foi dito anteriormente que um dos fatores que determinam se um ato é bom ou ruim é a intenção. A intenção de salvar uma vida é muito mais correta e positiva do que a de contar uma mentira é errada e negativa, principalmente em circunstâncias como a narrada. Se mentir, beber ou até mesmo roubar é a forma por meio da qual eu posso salvar uma vida, então eu devo fazê-lo. Eu sempre posso me corrigir por ter violado os Preceitos, mas eu nunca poderei trazer uma vida perdida de volta. Entretanto, como dito antes, por favor, não interprete o que eu expliquei como uma licença para violar os Preceitos sempre que for conveniente. Os Preceitos devem ser praticados com grande cuidado, e somente transgredidos em casos extremos e excepcionais.

Pergunta: O Quinto Preceito diz que não devemos tomar álcool ou outras drogas. Por quê
Resposta:
Raramente as pessoas bebem por prazer, por gosto. Quando se bebe sozinho, busca-se a liberação das tensões, e quando se bebe socialmente, busca-se aceitação e integração ao grupo. Até mesmo uma pequena quantidade de álcool distorce a consciência e deturpa a autoconsciência. Tomado em grandes quantidades, seu efeito pode ser devastador. Os budistas dizem que ao violar o Quinto Preceito, você pode ser levado a transgredir todos os outros Preceitos.

Pergunta: Os Cinco Preceitos são negativos. Eles dizem o que você não deve fazer. Eles não dizem o que você deve fazer.
Resposta: Os Cinco Preceitos são a base da moral budista. Mas não são toda ela. Nós começamos por reconhecer nosso comportamento negativo e em seguida nos empenhamos para pôr um fim a ele. É para isso que os Cinco Preceitos servem. Depois de pararmos de agir errado, então começamos a tentar fazer o bem. Veja, por exemplo, o Quarto Preceito. O Buda diz que devemos começar nos abstendo de contar mentiras. Depois disso, devemos dizer a verdade, falar gentilmente, educadamente e na hora certa.

Por desistir do discurso falso, ele se torna um orador da verdade, confiável, seguro e fidedigno; ele não engana o mundo. Por desistir do discurso malicioso, ele não quer causar discórdia entre as pessoas, pelo que não repete acolá o que ouviu aqui, nem repete aqui o que ouviu acolá. Ele reconcilia os que estão divididos e aproxima mais ainda aqueles que já são amigos. A harmonia é sua alegria, a harmonia é seu deleite, a harmonia é seu amor; é o motivo de seu discurso. Por desistir do discurso áspero seu discurso se torna irrepreensível, agradável ao ouvido, encantador a ponto de atingir o coração, urbano, apreciado por todos. Por desistir do palavrório vazio, ele fala na hora certa, o que é correto, sempre com retidão, sobre Dhamma e sobre disciplina. Ele diz palavras que merecem ser guardadas como um tesouro, oportunas, racionais, bem definidas e retas. M.I,179

*    *    *    *

 

Saiba mais:

 

– OlharBudista > Recursos > Budismo Básico –


Sobre Bhante Shravasti Dhammika, Ajahn Mudito | Lista de Mestres e Professores

Anúncios

2 opiniões sobre “Os 5 Preceitos

    […] tão profunda e pode-se envolver mais em actividades mundanas, mas no mínimo deveria seguir os 5 preceitos e ir implementando mais práticas e dedicação conforme as suas aspirações e evolução no […]

    Gostar

    […] Os 5 Preceitos […]

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s